1 de dezembro de 2011

Geléia de Frutas vermelhas e amarelas


Este é o momento para fazer geléia, com os preços baixando, de ameixas roxas, amarelas, rosas, pessegos, nectarinas  e até cerejas  é preciso aproveitar para se fazer geléias sem conservantes e com pouco açucar, o sabor ébem diferente das que se encontram no comércio, vidros esterilizados, tampas novas e fechamento a vácuo, se mantidos em local ventilado e fresco podem durar até  2 anos ou mais.


1 kg de frutas vermelhas e amarelas, como acima descrito.
2 xicaras de açucar mascavo ou cristal *
suco de 1 limão siciliano

* no meio do cozimento prove o ponto do açucar, se necessário acrescente um pouco mais, mas o conselho é de não adoçar demais para não perder o sabor da fruta.

Coloque os ingredientes numa panela funda de tefal, assim que iniciar a fervura abaixe a chama ao mínimo, com a  panela semi tampada ou tampada com  uma peneira de palha(foto) não muito maior que a boca da panela,   mexer a cada 10 minutos aprox. até obter o ponto de geléia,  [não deixe secar demasiado porque após fria naturalmente ela fica mais consistente] a esta altura e sem desligar o fogo comece a envasar em vidros previamente fervidos e completamente secos, use um funil de boca larga, se não tiver, improvise com um garrafa pet cortada, coloque o vidro sobre uma tábua de madeira, com uma concha pequena vá colocando a geléia no vidro até encher quase que totalmente, segure o vidro com um pano e feche com tampa *nova*,   não utilize tampas recicladas mesmo lavadas e fervidas, não fecharão hermeticamente,  após o uso perdem o perfeito fechamento da rosca e neste caso não se obterá o vácuo.

Após algum tempo nota-se que a tampa estufa, deixe esfriar no mesmo local, na manhã seguinte pode-se ter uma  noção se foi obtido o resultado correto, a tampa deverá estar levemente concava,  mesmo assim sempre que se abrem vidros com fechamento a vácuo deve ser conferido aparência, cor e odor do alimento.



Peneira de palha


Um comentário:

Cupcakes&more... disse...

Ciao!! ho trovato il tu blog... molto interessante!! ho una vicina di casa brasiliana, quindi mi faró tradurre da lei!!
Grazie mille ancora per il tuo messaggio mi ha fatto molto piacere!!

Buona continuazione!

Seguidores

Aceto Balsamico - Vinagre Balsâmico

O Vinagre Balsâmico

O Vinagre Balsâmico (aceto balsamico) é um vinagre aromático, agridoce de forte sabor, conhecido na Itália há mais de 1.000 anos. Porém, só começou a ser produzido em grande escala, com objetivos comerciais, a partir do século XIX. Antes disso era usado como dote de noivas, oferecido como presente especial ou saboreado como licor. Até hoje existe uma competição anual, em Spilamberto, na Itália, para decidir qual o melhor vinagre balsâmico caseiro produzido no ano.

Aceto Balsamico

O "aceto balsamico" é elaborado a partir de uvas do tipo Trebbiano e Lambrusco, produzidas no norte da Itália. Estas uvas são colhidas na sua maturidade máxima, época em que estão mais doces; após são secas ao sol e depois prensadas ou amassadas, para a extração do suco, o qual é fervido lentamente até virar um concentrado. Este concentrado é resfriado e transferido para um barril, onde permanece para fermentação. Assim, ele matura e evapora, concentrando ainda mais o sabor.

Em Modena, na Emilia-Romagna é produzido um dos vinagres aromáticos mais famosos e conhecidos no mundo todo. É envelhecido por até sete anos, em barris de carvalho o que o torna mais suave e escuro.

Um bom balsâmico deve ser maduro. Quanto mais envelhecido, mais saboroso e mais alto será seu preço. Um vinagre aromático de boa qualidade deve ser usado com moderação, principalmente como um tempero na sua forma natural. Versões inferiores são ideais para temperar alimentos que vão ao fogo, tais como frango, peixe e vegetais.

Além de temperar saladas, sopas e guisados, damos, a seguir, algumas sugestões para o uso do Vinagre Balsâmico:

  • Use-o em marinada de carnes;
  • Coloque algumas gotas em morangos frescos ou sorvete de morango;
  • Misture com manteiga derretida, na quantidade desejada, e faça um molho rápido para grelhar carne ou peixe;
  • Espalhe sobre legumes cozidos como aspargos ou feijão verde;
  • Ferva o vinagre, reduzindo-o até obter um molho grosso e encorpado para temperar carnes, peixes ou macarrão
Crédito: www.italiaoggi.com.br/gastronomia/saibamais/ita

La storia della Befana

La storia della Befana
La Befana è un'allegra e simpatica vecchietta che la notte tra il 5 e il 6 gennaio, giorno dell’Epifania, si mette in viaggio, in sella alla sua scopa volante, per portare doni a tutti i bambini. Per questo la Befana porta con sé un sacco stracolmo di dolcetti, che userà per riempire le calze che i bambini hanno lasciato appese nelle loro case. I bambini buoni, aprendo la calza la mattina dell’Epifania, troveranno caramelle, cioccolatini e a volte anche piccoli regali come premio della loro bontà. Quelli che non sono stati molto obbedienti nell’anno passato riceveranno dalla Befana anche un po’ di carbone. La Befana è comunque un personaggio molto amato. C’è chi la Befana la immagina con i capelli bianchi, chi con i capelli neri e c'è chi le colora i capelli di turchino, come quelli di una fata ma a parte la tinta dei capelli o il colore degli occhi, tutti noi siamo d'accordo sul suo naso aquilino, sulle sue scarpe tutte rotte e sul suo abito ricoperto di toppe colorate. Canzone Della Befana La Befana vien di notte Con le scarpe tutte rotte Il cappello alla romana Viva viva la Befana!! Crédito://www.mybefana.it/

La leggenda della Befana


Secondo il racconto popolare, in una notte tra il 5 e il 6 gennaio, i Re Magi si erano messi in cammino per rendere omaggio al bambino Gesù. Non riuscendo a trovare la strada, bussarono alla porticina della casa di una vecchietta, la Befana.

I re Magi chiesero alla Befana se poteva accompagnarli da Gesù a Betlemme. La vecchietta gli indicò il cammino ma si rifiutò di andare con loro, poiché aveva troppe faccende da sbrigare.

In seguito, però, la Befana si pentì di non aver accompagnato i Rei Magi. Per questo motivo, la Befana preparò un sacco pieno di dolci e uscì da casa per cercare i tre Rai Magi ma non li trovò. Allora offrì i dolci, che lei stessa aveva preparato, a tutti i bambini che incontrava per strada, nella speranza che uno di quelli fosse Gesù. È da quella notte che la Befana, per farsi perdonare, porta i regali a tutti i bambini.